sábado, 26 de setembro de 2009

Antonico E Clube é campéão do Copão do botão

Neste sábado uma multidão foi até o sitio Botão/Quixelo assistar a final do copão daquele referido sítio, foi um classico entre Antonico E. Clube e Portuguesa, ambos da Vila Antonico, no campo havia muito rivalidade, mas o antonico venceu o jogo por 2 x 0, os dois gols do atleta Miúdo melhor jogador em campo, foi uma festa bonita, as torcidas das duas equipes fizeram a festa. O jogo foi apitado por um árbitro de Carius que fez um excelente trabalho, apos o jogo a equipe Campeão saiu em carreata até o distrito do Antonico onde fizeram a festa.

sexta-feira, 25 de setembro de 2009

Tricolor de aço Goleia campinense na estreia de Roberto Fernandes

O Fortaleza Goleou o campinense na estreia do tecnico Roberto Fernandes pelo placar de 3 x 0 com o resultado o Fortaleza deixa a laterna sobe uma posição na tabela, são os primeiros sinais de reação do tricolo cearense.

Veja a relação dos Atletas que iram compor a equipe do E C COHAB

Os atletas serão os seguintes: Marlenilson, Urea, Jasnei, Artur, Diego, Aldinei, Zé Iram, Miudo, Ju, Junior, Edson, Stenio, Roniele, Regis e provavelmente Dé Neguim. O tecnico será Francisco Mulato o Auxiliar Tecnico Giberto Amorim, Coordenadores: Felipe Italo, Raimundo Romário e Helio Abreu e Presidente Ailton Fernandes.

E C. COHAB esta no grupo A do Campeonato de Futsal de Iguatu

Aconteceu ontem a noite as 19:30 o sorteio das chaves do campeonato de futsal de Iguatu. Veja como ficou a composição das Chaves,
Chave A:
Barcelona de Iguatu;
Crakes do Futuro Iguatu;
Esporte Club COHAB - Quixelô

Chave B:
Ico;
Vasco de Iguatu;
João Paulo II - Iguatu.

A rodada de abertura acontece dia 03 de outubro em jogo unico entre ICO x JOÃO PAULO II.
O ESPORTE CLUB COHAB, deve estreia dia 10 de outubro.

quinta-feira, 17 de setembro de 2009

SECULT ATÉ HOJE NÃO PAGOU OS GRUPOS JUNINOS VENCEDORES DO CEARÁ JUNINO




È isso mesmo continua a novela até hoje 17 de setembro a SECULT não pagou a premiação em dinheiro aos grupos Juninos Vencedores do Ceará Junino Etapa da região Centro Sul e Vale do Salgado que aconteceu na cidade de Cedro. Os grupos Vencedores foram em 1º lugar o Arraia do Sol Nascente da Cidade de Iguatu, (R$ 3.000,00) em 2º lugar o Grupo fogo na Roça de Várzea Alegre (R$ 1.500,00) e o 3º Lugar ficou com a quadrilha Arraia Arco-íris do sertão da cidade de Quixelô (R$ 1.000,00) até hoje esses grupos não viram um centavo desse dinheiro, a etapa de Cedro terminou no dia 28 de junho de 2009, já são 82 dias de atraso, isso só demonstra a falta de respeito da Secult para com os grupos juninos. Gostaria de informar que quem faz quadrilha junina no interior são verdadeiros heróis, porque são muitas as dificuldades enfrentadas, todos os grupos estão endividados uns até pagando juros a agiotas/cartões de crédito, porque contaram com esse dinheiro para fazerem alguns acertos financeiros e acabou ficando pior, a porque a Secult até essa data não honrou seu compromisso com esses grupos. A quadrilha junina do Município de Quixelô por exemplo que tem R$ 1.000,00 a receber, talvez venha a paga só de juros uns R$ 150,00 nesses quase 03 meses de atraso.gasto que poderia ter sido evitado se a Secult tivesse pago esses prêmios pelo menos no mês de julho. No final do mês de agosto enviamos uma correspondência por email pra secult cobrando essa premiação e obtivemos a seguinte resposta.


Senhor: Ailton Fernandes da Silva Boa tarde Em resposta, informamos que o pagamento do Festival de Quadrilhas do Município de Cedro, não foi creditado pois a Prefeitura Municipla de Cedro estava com alguma restrições, onde já foi sanada, e o processo foi encaminhado dia 01/09/09 para ASJUR, para providenciar convênio e publicação. mais informações:siec@secult.ce.gov.br - 85.3101.6765 ou asjur@secult.ce.gov.br - 85.3101.6747Atenciosamente,Governo do Estado do Ceará.


Essa foi a resposta dada pela a SECULT, que dia 01 de setembro esse problema já estava resolvido, no entanto hoje já são 12 de setembro e nada desse pagamento e nem se quer uma justificativa, como é se quer fortalecer os grupos juninos do ceará com um tratamento desses que estamos recebendo, não temos como não nos indignar com essa falta de respeito e de compreensão, quem vive trancado em seus gabinetes em salas com refrigeração, não conhece a realidade de quem esta na ponta fazendo cultura, não sabe das dificuldades de quem esta no interior lutando pra manter viva a chama junina, aqui temos verdadeiros agentes culturais. A SECULT, tem que sair da capital e se fazer presente também no interior.

E C. COHAB de Quixelô poderá partcipar do Campeonato Iguatuense. de Futsal


Neste dia 17 setembro um dos Organizadores do Copa de Futsal de Iguatu Airton, ligou para o Presidente do E C COHAB, o Sr Ailton Fernandes para convida-lo a partipar com a referida equipe daquele importante campeonato de Futsal, o referido dirigente ficou de confirmar a participaçao de sua equipe até amanhã sexta feira dia 18, o mesmo vai estudar o regulamento e só depois tomará uma decisão, há também um convite dos dirigentes de Icó que organizam a COPA da Viuva, essa copa só será disputanda em novembro. Há interesse de se disputar as duas competições, a equipe que vai disputar essas competições deverá ser a base da equipe que ja disputou a Copa star Games e com algumas novidades que virão, garante o presidente.

quarta-feira, 16 de setembro de 2009

Partido Comunista da Venezuela (PCV):A Revolução está ameaçada por forças externas e internas

O PCV convoca o povo venezuelano e os povos do mundo a organizar a defesa da Revolução Bolivariana.

O Comitê Central do Partido Comunista da Venezuela, de acordo com seu XVII Pleno que ocorre hoje [26 de novembro], convocou o povo venezuelano e os povos do mundo a organizar a defesa do processo revolucionário bolivariano frente à ativação do plano fascista que pretende dar um golpe de Estado e criar as condições para a intervenção estrangeira. Assim comunicou hoje Carlos Aquino, secretário nacional de organização.
O dirigente denunciou que a ofensiva contra-revolucionária está dirigida e articulada pela CIA norte-americana e tem sua expressão internacional atualmente a partir do território colombiano, com a entrada em cena abertamente do governo de Uribe. Segundo ele, para o PCV, as últimas declarações do presidente da Colômbia estão dirigidas não para alcançar a paz no país vizinho, mas para somar-se à ofensiva imperialista contra o povo da Venezuela, "Uribe é a fachada de poderes internacionais e da contra-revolução para desestabilizar o governo venezuelano", afirmou.
Os grandes avanços que se havia alcançado com a mediação da senadora Piedad Córdoba e do Presidente Chávez estavam dirigidos não apenas a conseguir a troca de prisioneiros que ambas as forças em enfrentamento têm, mas também para avançar até um acordo de paz mais profundo para a Colômbia. Sobre aqueles que trabalham com essas intenções, Aquino assinala: "não se pode contar entre eles com Uribe, ele não é parte dos fatores que estão comprometidos com a paz na Colômbia", disse.
O Partido Comunista da Venezuela concorda com a expressão do Presidente Chávez de que "a Colômbia deve ter outro presidente".
"Há vários meses o PCV vem alertando que este plano ou golpe contínuo tem como objetivos a destruição da revolução bolivariana, a derrocada do governo do Comandante Chávez e o retrocesso de todos os avanços alcançados para o povo através de nossa revolução", lembrou o dirigente.
O PCV também alertou que internamente vivemos um momento de definições, e que os setores revolucionários e mais avançados da sociedade venezuelana que estão comprometidos com o processo revolucionário estão participando ativamente para o triunfo do "duplamente Sim", cujo triunfo avança positivamente.
Neste marco de definições, os setores de oposição estão vislumbrando uma nova derrota nas urnas, e frente a isso há grupos que estão jogando para gerar a violência visando atingir seus objetivos. A estes o PCV afirma, "serão uma vez mais derrotados com a força mobilizada do povo que tomou consciência do momento histórico que se vive".
Os Comunistas respeitam a dissidência que possa existir no país. Isso é parte do jogo democrático e chamam a debatê-la na batalha das idéias, mas advertem que é diferente o que jogam outros setores: "quando uma posição contrária se materializa em ações que buscam cooptar militares das Forças Armadas para desenvolver alguma ação de desestabilização. O mesmo quando se estão reunindo armas para ações terroristas que queiram executar; quando bloqueiam as avenidas, as estradas; quando planejam desenvolver "guarimbas" [ações de violência, piquete nas ruas], nesta semana, e a isso nos referimos quando falamos de setores que estão trabalhando pela desestabilização", disse o dirigente.
Finalmente, Carlos Aquino enfatizou que o processo revolucionário venezuelano "está ameaçado por forças externas e internas" e alertou o povo "para manter-se mobilizado diante de qualquer ação civil ou militar que possam tentar as forças reacionárias, que são as forças da contra-revolução e do atraso".
O original encontra-se em http://www.tribuna-popular.org Traduzido para o CeCAC por M.H.

domingo, 13 de setembro de 2009

A justiça com 30 anos de atraso

Segurança Pessoal e Direitos Humanos
Tatiana Merlino


TorturaApós três décadas da promulgação da Lei de Anistia ela ainda serve de pretexto para que o Brasil não puna torturadores, não abra arquivos da ditadura e não entregue corpos das vítimas a seus familiares.

No ano em que se comemoram 30 anos da promulgação da Lei de Anistia, o Brasil pode estar perto de fazer um acerto de contas com seu passado. Ainda este ano, duas decisões importantes podem colocar fim ao impasse em relação à punição dos algozes da ditadura civil militar (1964-1985), a exemplo do que ocorreu nos países vizinhos. Até o final do ano, o Supremo Tribunal Federal (STF) deverá se pronunciar sobre o questionamento da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) em relação ao suposto benefício que a Lei de Anistia concede aos torturadores. O Brasil também é réu na Corte Interamericana de Direitos Humanos da Organização dos Estados Americanos (OEA), no caso da Guerrilha do Araguaia, e corre o risco de ser condenado. O país é acusado de não investigar os desaparecimentos justamente devido à promulgação da Lei de Anistia, e de não fornecer informações sobre o episódio a familiares das vítimas. Se for condenado, será obrigado a investigar os crimes e a identificar e punir os responsáveis, reconhecendo que não cabe anistia ou prescrição a crimes contra a humanidade.

Até hoje, o país não chegou a uma posição definitiva em relação ao alcance da Lei da Anistia e à possível responsabilização dos crimes de tortura, desaparecimento e sequestro cometidos por agentes do Estado durante o regime militar.

Promulgada em 1979, a lei 6.683 anistiou aqueles que "no período compreendido entre 2 de setembro de 1961 e 15 de agosto de 1979, cometeram crimes políticos ou conexos com estes, crimes eleitorais". Se, por um lado, a anistia permitiu que perseguidos políticos exilados voltassem ao país e que presos políticos fossem colocados em liberdade, por outro, a lei foi escrita com ambiguidades que sugeriam uma autoabsolvição antecipada do Estado de qualquer responsabilidade jurídica em relação a crimes cometidos por seus agentes. Tal interpretação, sustentada até hoje por setores que afirmam que a anistia foi recíproca, é duramente questionada por juristas que sustentam que a tortura, por exemplo, é crime de lesa-humanidade, e portanto, não é passível de indulto nem prescrição.

De acordo com Fábio Konder Comparato, professor titular aposentado da Faculdade de Direito da USP, tal tipo de anistia não pode ser admitida nem perante a ética, nem perante o Direito. "Ela é indecente. Primeiro, porque foi feita quando o Congresso Nacional ainda estava sob a pressão absoluta dos dirigentes militares, que, como condição para sair do poder, quiseram se absolver. Em segundo lugar, porque os criminosos do regime militar não foram identificados nem chamados publicamente a reconhecer seus crimes. O povo jamais foi consultado para dizer se aceitaria ou não essa absolvição geral e abstrata sem identificação dos criminosos", critica.

Sob o aspecto jurídico, explica Comparato, a lei de 79 é incompatível com a Constituição de 1988, que estabelece que o crime de tortura é imprescritível e não passível de indulto. "É preciso entender que, juridicamente, quando uma nova Constituição cria um regime novo, as leis anteriores a ela só continuam em vigor se forem compatíveis com o novo regime", defende.

Movimento de massa

A Lei de Anistia foi resultado do conjunto todas as lutas que aconteceram naquele momento. "Foi um movimento de massa que aglutinou todo o país, e que tinha forte apoio internacional. Internamente, havia grandes forças motrizes, como os movimentos de esquerda clandestina que criaram uma grande rede de imprensa de massa legal", recorda o jornalista e escritor Alípio Freire, ex-preso político e militante da organização Ala Vermelha.

No Brasil e no exterior, foram formados comitês que reuniam filhos, mães, esposas e amigos de presos políticos para defender uma anistia ampla, geral e irrestrita. Em 1978, foi criado, no Rio de Janeiro, o Comitê Brasileiro pela Anistia, congregando várias entidades da sociedade civil. No entanto, por 206 votos contra 201, a anistia aprovada não foi tão ampla, geral e irrestrita como pretendiam seus defensores. Em 28 de agosto, o presidente João Baptista Figueiredo sancionou a Lei nº 6.683, de iniciativa do governo e aprovada pelo Congresso, concedendo indulto a todos os cidadãos punidos por atos de exceção desde 2 de setembro de 1961. Estudantes, professores e cientistas afastados das instituições de ensino e de pesquisa nos anos anteriores foram beneficiados, mas o reaproveitamento de servidores civis e militares ficou subordinado à decisão de comissões especiais criadas no âmbito dos respectivos ministérios para estudar cada caso. De acordo com a lei apro vada, também foram excluídos os condenados pela "prática de crimes de terrorismo, assalto, sequestro e atentado pessoal". Ou seja, um artifício para não anistiar os participantes da luta armada. Aqueles que cometeram os chamados "crimes de sangue" ficaram presos por mais tempo e só saíram da cadeia em liberdade condicional.

Desde então, ex presos políticos e familiares de mortos e desaparecidos vêm lutando pela "memória, verdade e justiça". Desde a redemocratização do país, nenhum governo enfrentou seriamente a questão, e o ônus da luta tem ficado para as vítimas da ditadura e seus parentes. Em relação ao governo Lula, "embora ele esteja avançando por conta de iniciativas da Secretaria Especial de Direitos Humanos e posições de Tarso e Dilma, o PT nunca assumiu essa luta como sua enquanto partido. Desde a fundação do partido, isso nunca teve eco lá dentro, pelos interesses mais diversos, e apesar de muitos que estamos nele termos sido punidos pela ditadura", critica Freire. "A questão teve eco em alguns setores quando houve reparação econômica, que tem que acontecer, mas junto com uma série de medidas", diz, referindo-se à lei 10.559/02, sancionada durante o governo Fernando Henrique Cardoso, que determina a indenização financeira.

De acordo com a ex-presa política Maria Amélia de Almeida Teles, a Amelinha, "são muitas as reivindicações que permanecem durante estes 30 anos, como a apuração dos crimes da ditadura. Não houve cobrança dos responsáveis pelos crimes de morte, assassinato, tortura, sequestro, ocultação de cadáver".

Queda-de-braço

Dentro do governo Lula, há um embate no que se refere à interpretação da lei. De um lado, os defensores do perdão aos militares: o ministro da Defesa, Nelson Jobim, que declarou inúmeras vezes que a punição dos agentes do Estado que participaram de torturas durante a ditadura militar seria "revanchismo" e que a questão deveria ser esquecida; o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes; e o chefe da Advocacia Geral da União (AGU), José Antonio Dias Toffoli. Do outro lado, o ministro da Justiça, Tarso Genro, o da Secretaria Especial dos Direitos Humanos, Paulo de Tarso Vannuchi, bem como importantes constitucionalistas do país e a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), defendem que a tortura não pode ser considerada um delito político, mas caracterizada, sim como crime de lesa-humanidade imprescritível. Por diversas vezes, Vanucchi convocou as vítimas da repressão do regime militar, seus familiares e entidades de classe para se organizarem nos Estados através de ações judiciais em massa que questionem a abrangência da Lei de Anistia. Segundo ele, as autoridades da área ainda não parecem convencidas da justeza das reivindicações. "O Judiciário empurra a questão". Esse comportamento, segundo o ministro, ajuda a explicar o fato de poucos parentes das vítimas terem recorrido à Justiça em busca de reparações e punições.

No Brasil, há apenas duas ações movidas nesse sentido. Numa decisão histórica, em outubro de 2008, o coronel reformado Carlos Alberto Brilhante Ustra foi declarado pelo Tribunal de Justiça de São Paulo responsável pela tortura de três pessoas da mesma família durante o regime militar, na década de 1970. Foi julgado procedente o pedido de declaração de responsabilidade de Ustra pela tortura do casal de ex presos políticos Maria Amélia de Almeida Teles, a Amelinha, e César Augusto Teles. Também foi reconhecida a tortura a Criméia Schmidt de Almeida, irmã de Amelinha. Ustra comandou o DOI-Codi (Destacamento de Operações de Internações-Centro de Operações de Defesa Interna) em São Paulo entre 1970 e 1974, período de maior repressão política no país. A outra ação declaratória contra Ustra, movida pela família do jornalista Luiz Eduardo Merlino, assassinado em 1971 nas dependências do DOI-Codi, não teve o mesmo desfecho. A ação foi extinta no TJ-SP (Tribunal de Justiça de São Paulo), e os advogados da família recorreram ao Superior Tribunal de Justiça (STJ)

Justiça de transição

Além de não punir os torturadores, o Brasil também não cumpriu com outras demandas do que se chama de "Justiça de Transição". Criado pelo Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas, a Justiça de Transição prevê que os governos de países que passaram por um regime de exceção devem assumir quatro responsabilidades: acesso a informações e dados públicos para preservação da memória do período; reparação dos prejuízos sofridos por cidadãos que tiveram seus direitos lesados pelo Estado; julgamento e punição dos responsáveis por crimes contra a humanidade imprescritíveis e não passíveis de anistia; e promoção de mudanças nas instituições de segurança pública.

Dos quatro aspectos, o Brasil só enfrentou a questão da reparação. As maiores críticas ao processo de redemocratização do país se dirigem à manutenção dos arquivos do período militar sob sigilo e à não apuração de crimes contra os direitos humanos. "Até hoje, as Forças Armadas nunca abriram os arquivos. O acerto de contas não é só com as vítimas, é também um compromisso com a democracia para que nunca mais aconteça novamente", explica a cientista política Glenda Mezarobba, pesquisadora do Instituto de Filosofia e Ciências Sociais da Unicamp e autora do livro Um acerto de contas com o futuro: a anistia e suas consequências. Segundo ela, "mesmo dentro das reparações, o Brasil apenas o fez pelo aspecto econômico. Há ainda o plano simbólico, como pedidos oficiais de perdão e constituição de museus e monumentos."

Para a pesquisadora, ao não julgar e processar os violadores dos direitos humanos, o Brasil perde a oportunidade de sinalizar que na democracia tais crimes não seriam tolerados. "Perde a chance de deslegitimar aquela ideologia autoritária. O Brasil ainda não se dedicou à questão da justiça, mas não significa que não possa se dedicar. Não há um prazo de validade, especialmente em relação a crimes contra a humanidade como a tortura."

País da conciliação

O atraso do Brasil em relação aos vizinhos que revogaram suas leis de anistia e estão colocando os torturadores no banco dos réus pode ser explicado por um espírito conciliatório da sociedade brasileira. "Nós temos uma tradição que remonta à nossa origem portuguesa. Se a gente comparar o comportamento de Portugal e da Espanha, vamos ver que os espanhóis radicalizam muito em todos os sentidos, ao passo que o português é normalmente conciliador", analisa o jurista e professor aposentado Dalmo Dallari, professor emérito da Faculdade de Direito da USP.

Comparato concorda: "No Brasil, tudo termina em conciliação. Essa é a palavra chave na política brasileira. Nos outros países, os grandes conflitos se resolvem violentamente". Para ele, o fato da reparação no Brasil ter se restringido à questão econômica é sintomático desse espírito. "Foi para que todo mundo se contentasse com isso e não exigisse o esclarecimento da anistia dos torturadores. Acontece que não pode haver conciliação com a indignidade. Isso é degradante. Nesse sentido, estamos lutando para que haja uma decisão judicial. A lei não pode permanecer como está, é preciso uma decisão do judiciário que ponha fim a essa confusão".

O jurista refere-se à ação (Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental - ADPF) protocolada em outubro de 2008 pela OAB junto ao Supremo Tribunal Federal. Nela, a entidade questiona a anistia aos representantes do Estado (policiais e militares) que, durante o regime militar, praticaram atos de tortura. A ADPF contesta a validade do primeiro artigo da Lei da Anistia, que considera como conexos e igualmente perdoados os crimes "de qualquer natureza" relacionados aos crimes políticos ou praticados por motivação política no período de 2 de setembro de 1961 a 15 de agosto de 1979. A OAB pede ao Supremo uma interpretação mais clara desse trecho da lei, de forma que a anistia concedida aos autores de crimes políticos e seus conexos (de qualquer natureza) não se estenda aos crimes comuns praticados por agentes públicos acusados de homicídio, desaparecimento forçado, abuso de autoridade, lesões corporais, estupro e atentado violento ao pudor contra opositores. Na ação, a OAB reforçou o pedido - já feito em outras ações - para que seja revelada a identidade dos militares e policiais responsáveis por crimes em nome do Estado, dizendo ser um "escárnio" acobertar a identidade dessas pessoas sob o pretexto da segurança da sociedade e do Estado.

Por outro lado, em fevereiro deste ano, a Advocacia Geral da União (AGU), enviou aos ministros do STF um parecer em que destaca que a Lei de Anistia foi "ampla, geral e irrestrita", perdoando todos os crimes "de qualquer natureza". Caso prevaleça no plenário do STF a tese de que o indulto não abrangeu os crimes de tortura, o Estado brasileiro terá o dever de ajuizar ações penais visando a punição daqueles que torturaram no Brasil. "Mas, se o STF achar que a Lei de Anistia se estende aos criminosos do regime militar, será uma ofensa grave ao sistema americano de direitos humanos", alerta Comparato. O relator da ação sobre o alcance da Lei de Anistia no Supremo é o ministro Eros Grau, e o processo deve ser levado a plenário ainda este ano.

No banco dos réus

O Brasil também pode ser obrigado a responsabilizar criminalmente os torturadores e assassinos do regime militar pela Corte Interamericana de Direitos Humanos da OEA no caso da Guerrilha do Araguaia, em que tropas militares dizimaram um grupo de militantes no interior do Pará. Por indicação da entidade, o governo brasileiro responderá a processo por detenção arbitrária, tortura e desaparecimento forçado de 70 pessoas, entre membros do Partido Comunista do Brasil e camponeses da região do Araguaia, entre 1971 e 1975. Conforme a denúncia da comissão, o Brasil, embora notificado desde outubro do ano passado, não avançou na localização dos corpos. A notificação exigia que o governo adotasse medidas para identificar os responsáveis por esses desaparecimentos e para impedir que a Lei de Anistia prejudique o andamento dos processos na Justiça.

De acordo com a cientista social Beatriz Affonso, diretora do Cejil (Centro pela Justiça e o Direito Internacional), uma das organizações que ingressou com a ação na OEA, um dos eixos do processo é o questionamento da interpretação da lei de anistia. "Não estamos pedindo que se revogue. Entendemos que ela anistiou os civis que estavam resistindo à ditadura militar", explica. "O que pedimos é que ela determine que a Lei de Anistia não possa ser um obstáculo para investigar, processar e responsabilizar agentes públicos ou privados que, em nome da ditadura, tenham violado direitos humanos." Segundo ela, caso a Corte condene o Brasil, será muito constrangedor para o país perante a comunidade internacional. Para a diretora do Cejil, é um "vexame" o caso ter que ser levado a organismos internacionais, mas ressalta que é necessário, pois a "sociedade tem direito de saber o que aconteceu. Isso não é esquerdismo, revanchismo", diz, referindo-se a uma declaração do ministro da Defesa.

A posição de Jobim irritou juristas e defensores de direitos humanos. "Quando ele disse que esses fatos devem ser esquecidos, fiquei em dúvida. Já não sei se o chamo de jurista, advogado ou coronel Nelson Jobim, porque ele repetiu o que os coronéis dizem. É vergonhoso ouvir isso de alguém da área jurídica. Acho que ele deveria refazer seu curso de Direito". ironiza Dallari

A despeito disso, foi o próprio Ministério da Defesa que criou, com apoio técnico do Exército, uma comissão para buscar os restos mortais de guerrilheiros desaparecidos no Araguaia. Mas o Ministério Público Federal e a Secretaria Especial de Direitos Humanos não foram convidados a integrar o grupo de trabalho e acompanhar as buscas, nem a Comissão Especial de Mortos e Desaparecidos Políticos, criada por meio da lei 9.140, de 1995, pelo próprio Jobim, quando era ministro da Justiça do governo FHC.

Busca sem familiares

Dias após o ministro Jobim afirmar que os parentes das vítimas não teriam acesso à área das escavações por serem parte interessada no caso, os familiares das vitimas divulgaram uma carta na qual diziam: "Assistimos, estarrecidos, a ida de uma caravana essencialmente militar, sem a presença dos familiares, sem a participação da Comissão Especial para Mortos e Desaparecidos, sem a presença da Secretaria Especial de Direitos Humanos", diz o documento, que ainda afirma: "O Exército, que ora coordena as buscas, levou anos para reconhecer oficialmente a existência da Guerrilha do Araguaia e a participação de seus integrantes nos combates, sem nunca ter assumido as prisões, torturas, assassinatos e desaparecimentos. O Exército e muitas das instituições vinculadas à União sempre afirmaram que a guerrilha não existiu e negam até hoje a existência de arquivos, sem ter a decência e qualquer sentimento de humanidade para apontar onde foram parar as informações de que dispunham as Três Forças em 1993."

A comissão atende a uma decisão judicial de 2003 que determinou que o Estado brasileiro desse respostas sobre o assunto. A sentença da Justiça Federal, proferida pela juíza Solange Salgado, ordenou a quebra do sigilo das informações militares sobre todas as operações de combate aos guerrilheiros e que a União informe onde estão sepultados os mortos no episódio. Na tentativa de apaziguar os ânimos, dias depois, o presidente Lula resolveu incluir uma representante dos familiares de mortos e desaparecidos no comitê de buscas das ossadas. "Essa participação é um tanto quanto secundária, porque quem vai tomar a iniciativa, elaborar estratégias e realizar as buscas é o Exército, que matou os guerrilheiros. E quem está comandando é o ministro da Defesa. Portanto, não há interesse em apurar as circunstâncias e resolver a situação", critica a ex-presa política Amelinha. Para ela, à medida em que não se faz uma busca de uma forma digna e articulada com a sociedade, a violação de direitos humanos permanece.

As perspectivas de Amelinha em relação ao trabalho da comissão são ruins. Uma de suas preocupações é em relação à destruição de provas e vestígios, "que já estão prejudicados com o decorrer dos anos, e que podem ser ainda mais destruídos", explica. "O Estado não respeita sua própria decisão, que é de localizar e entregar os corpos. Esta foi proferida em 2003, e o governo tentou de todas as formas entrar com recursos, mas foi derrotado em 2007. Então faz dois anos que o governo não cumpre a decisão do Estado que ele representa". Para a militante de direitos humanos, o Estado brasileiro só criou uma comissão para buscar os restos mortais no Araguaia porque está sendo processado na OEA. E, destacando a exceção do ministro da Secretaria Especial de Direitos Humanos, Paulo Vanucchi, ela considera que, "por parte do governo, só há desprezo".

O exemplo dos vizinhos

De todos os países da América Latina que passaram por ditaduras militares, o Brasil é o mais atrasado no que se refere ao resgate da memória e responsabilização dos crimes cometidos por agentes do Estado. Argentina, Uruguai, Chile e Peru lidaram com o que se chama de Justiça de Transição. Na Argentina, em 2005, a Suprema Corte julgou a inconstitucionalidade das leis de Ponto Final e Obediência Devida, que impediam processos contra militares por envolvimento na repressão contra a ditadura. Desde a revogação, torturadores e comandantes militares têm sido julgados e condenados. Durante o mandato do ex presidente Néstor Kirchner (2003- 2007), a Justiça reabriu vários processos. Em outubro de 2007, um tribunal condenou à prisão perpétua o ex capelão da igreja católica, Christian Von Wernich, acusado de "crimes de lesa-humanidade, por genocídio" durante a ditadura. Entre os julgados, também estão incluídos os ex ditadores Jorge Rafael Videla e Reynaldo Bignone, ambos em prisão domiciliar.

No Chile, a lei de anistia foi revogada por decisão da Corte Interamericana de Direitos Humanos, e o ex chefe da Dina (a polícia política chilena), Manuel Contreras, foi preso pelos crimes que cometeu na ditadura. Apesar de inúmeras tentativas de processar o ditador Augusto Pinochet, este só foi preso quando o juiz espanhol Baltasar Garzón abriu um processo contra ele pelos crimes de genocídio, terrorismo e tortura. Pinochet foi preso em Londres, onde permaneceu 503 dias em prisão domiciliar. Morreu em 2006, e foi sepultado sem honras de Estado.

No Peru, uma lei de anistia criada em 1995, período democrático para indultar crimes de agentes do Estado cometidos após o fim da ditadura, em 1980, também foi abolida por sentença da Corte Interamericana de Direitos Humanos, no caso Barrios Altos, referente à morte de 15 pessoas por um esquadrão da morte ligado ao Exército peruano, em 1991. A sentença da Corte considerou o Estado peruano responsável pela violação do direito à vida e à integridade pessoal derivada do massacre, assim como por haver anistiado tais delitos.

Outra iniciativa importante foi a criação, em países como Uruguai, Peru, Argentina e Chile, de Comissões Oficiais de Verdade. Para emitir a ordem de prisão ao ex ditador Augusto Pinochet, pela morte e tortura de cidadãos espanhóis, Garzón utilizou o relatório da Comissão Chilena da Verdade, que funcionou de 1990 a 1991.

Em março de 2008, 24 oficiais e suboficiais da polícia política da ditadura de Pinochet foram condenados por crimes de sequestro, homicídio e tortura de 31 militantes de esquerda.

Fonte: Caros Amigo

sábado, 12 de setembro de 2009

SECULT ATÉ HOJE NÃO PAGOU OS GRUPOS JUNINOS VENCEDORES DO CEARÁ JUNINO



È isso mesmo até hoje 17 de setembro a SECULT não pagou a premiação em dinheiro aos grupos Juninos Vencedores do Ceará Junino Etapa da região Centro Sul e Vale do Salgado que aconteceu na cidade de Cedro. Os grupos Vencedores foram em 1º lugar o Arraia do Sol Nascente da Cidade de Iguatu, (R$ 3.000,00) em 2º lugar o Grupo fogo na Roça de Várzea Alegre (R$ 1.500,00) e o 3º Lugar ficou com a quadrilha Arraia Arco-íris do sertão da cidade de Quixelô (R$ 1.000,00) até hoje esses grupos não viram um centavo desse dinheiro, a etapa de Cedro terminou no dia 28 de junho de 2009, já são 82 dias de atraso, isso só demonstra a falta de respeito da Secult para com os grupos juninos. Gostaria de informar que quem faz quadrilha junina no interior são verdadeiros heróis, porque são muitas as dificuldades enfrentadas, todos os grupos estão endividados uns até pagando juros a agiotas/cartões de crédito, porque contaram com esse dinheiro para fazerem alguns acertos financeiros e acabou ficando pior, a porque a Secult até essa data não honrou seu compromisso com esses grupos. A quadrilha junina do Município de Quixelô por exemplo que tem R$ 1.000,00 a receber, talvez venha a paga só de juros uns R$ 150,00 nesses quase 03 meses de atraso.gasto que poderia ter sido evitado se a Secult tivesse pago esses prêmios pelo menos no mês de julho. No final do mês de agosto enviamos uma correspondência por email pra secult cobrando essa premiação e obtivemos a seguinte resposta.


Senhor: Ailton Fernandes da Silva Boa tarde Em resposta, informamos que o pagamento do Festival de Quadrilhas do Município de Cedro, não foi creditado pois a Prefeitura Municipla de Cedro estava com alguma restrições, onde já foi sanada, e o processo foi encaminhado dia 01/09/09 para ASJUR, para providenciar convênio e publicação. mais informações:siec@secult.ce.gov.br - 85.3101.6765 ou asjur@secult.ce.gov.br - 85.3101.6747Atenciosamente,Governo do Estado do Ceará.


Essa foi a resposta dada pela a SECULT, que dia 01 de setembro esse problema já estava resolvido, no entanto hoje já são 12 de setembro e nada desse pagamento e nem se quer uma justificativa, como é se quer fortalecer os grupos juninos do ceará com um tratamento desses que estamos recebendo, não temos como não nos indignar com essa falta de respeito e de compreensão, quem vive trancado em seus gabinetes em salas com refrigeração, não conhece a realidade de quem esta na ponta fazendo cultura, não sabe das dificuldades de quem esta no interior lutando pra manter viva a chama junina, aqui temos verdadeiros agentes culturais. A SECULT, tem que sair da capital e se fazer presente também no interior.

SECULT ATÉ HOJE NÃO PAGOU OS GRUPOS JUNINOS VENCEDORES DO CEARÁ JUNINO

SECULT ATÉ HOJE NÃO PAGOU OS GRUPOS JUNINOS VENCEDORES DO CEARÁ JUNINO ETAPA DE CEDRO.

È isso mesmo até hoje 12 de setembro a SECULT não pagou a premiação em dinheiro aos grupos Juninos Vencedores do Ceará Junino Etapa da região Centro Sul e Vale do Salgado que aconteceu na cidade de Cedro. Os grupos Vencedores foram em 1º lugar o Arraia do Sol Nascente da Cidade de Iguatu, (R$ 3.000,00) em 2º lugar o Grupo fogo na Roça de Várzea Alegre (R$ 1.500,00) e o 3º Lugar ficou com a quadrilha Arraia Arco-íris do sertão da cidade de Quixelô (R$ 1.000,00) até hoje esses grupos não viram um centavo desse dinheiro, a etapa de Cedro terminou no dia 28 de junho de 2009, já são 45 dias de atraso, isso só demonstra a falta de respeito da Secult para com os grupos juninos. Gostaria de informar que quem faz quadrilha junina no interior são verdadeiros heróis, porque são muitas as dificuldades enfrentadas, todos os grupos estão endividados uns até pagando juros a agiotas/cartões de crédito, porque contaram com esse dinheiro para fazerem alguns acertos financeiros e acabou ficando pior, a porque a Secult até essa data não honrou seu compromisso com esses grupos. A quadrilha junina do Município de Quixelô por exemplo que tem R$ 1.000,00 a receber, talvez venha a paga só de juros uns R$ 150,00 nesses quase 03 meses de atraso.gasto que poderia ter sido evitado se a Secult tivesse pago esses prêmios pelo menos no mês de julho. No final do mês de agosto enviamos uma correspondência por email pra secult cobrando essa premiação e obtivemos a seguinte resposta.

Senhor: Ailton Fernandes da Silva Boa tarde Em resposta, informamos que o pagamento do Festival de Quadrilhas do Município de Cedro, não foi creditado pois a Prefeitura Municipla de Cedro estava com alguma restrições, onde já foi sanada, e o processo foi encaminhado dia 01/09/09 para ASJUR, para providenciar convênio e publicação. mais informações:siec@secult.ce.gov.br - 85.3101.6765 ou asjur@secult.ce.gov.br - 85.3101.6747Atenciosamente,Governo do Estado do Ceará. Essa foi a resposta dada pela a SECULT, que dia 01 de setembro esse problema já estava resolvido, no entanto hoje já são 12 de setembro e nada desse pagamento e nem se quer uma justificativa, como é se quer fortalecer os grupos juninos do ceará com um tratamento desses que estamos recebendo, não temos como não nos indignar com essa falta de respeito e de compreensão, quem vive trancado em seus gabinetes em salas com refrigeração, não conhece a realidade de quem esta na ponta fazendo cultura, não sabe das dificuldades de quem esta no interior lutando pra manter viva a chama junina, aqui temos verdadeiros agentes culturais. A SECULT, tem que sair da capital e se fazer presente também no interior.





sexta-feira, 11 de setembro de 2009

O centro Sul esta de Luto


È com muita tristesa que tenho que noticiar nesse blog o falecimento de um íncone do Futsal do Iguatu e porque não dizer da Região centro Sul, estou falando do Treinador Ronaldo da seleção de futsal de Iguatu, essa foto foi tirada no inicio desse ano por ocasião da disputa dos jogos aberto do interior, talvez esse tenha sido seu ultimo trabalho, no futsal. Tivemos poucos momentos de convivencia mais o suficiente para conhecer o profissionalismo de Ronaldo e o quanto ele foi importante para o Futsal de Iguatu, levará algum tempo para que alguém consiga o que ele conseguiu, fazer uma equipe vencedora sem muito apoio, Ronaldo fazia futsal porque tinha amor a esse esporte, teve que vencer muitos desafios para fazer do futsal de Iguatu um futsal proficional que chegou a ser campeão cearense , talvez nunca tenha sido reconhecido como deveria. Hoje Ronaldo teve que partir de forma precosse, fica aqui os nossos sentimento e nossa solidarieade aos familiares, amigos e apaixonados pelo futsal. e que nós que continiuamos aqui possamos da continuidade ao trabalho por ele deixado e que guardemos conosco essa força de vontade de vencer que Ronaldo sempre teve. Valeu Ronaldo. postado Ailton Fernandes, Secretário Adjunto de cultura e Esporte de Quixelô

quinta-feira, 10 de setembro de 2009

Rede Globo tenta reinventar a história da Televisão Brasileira

Há algum tempo a TV Globo iniciou uma série de reportagens comemorativas aos 40 anos da emissora. Nada contra a celebração. Tudo contra as mentiras contadas!


TV no Brasil não começa com a Globo!



O grande empreendedor que primeiro trouxe a TV para o Brasil e de certa forma a popularizou foi Assis Chateaubriand. Precisamente a 10 de setembro de 1950 foi ao ar Em 10 de Setembro, uma transmissão da TV Tupi (ainda em fase experimental) de um filme em que Getúlio Vargas falava sobre seu retorno à vida política.

Chateaubriand adquiriu 200 aparelhos de Televisão, espalhou-os pela cidade de São Paulo, instalou antenas e ia de vento em popa 15 anos antes de a Rede Globo de Telealienação se formar a partir de uma aliança entre a ditadura militar e o grupo estadunidense Time-Life.

Durante anos a fio assistíamos atentos às notícias leais do “Seu Repórter Esso”, aos seriados “Bonanza”, “Vigilante Rodoviário”, “Rin-Tin-Tin”, “Lassie” e um sem-número de programas educativos, como a “Vila Sésamo”, que formou a minha geração! Era um tempo de inocência durante o qual não se ouvia falar em tantos crimes, seqüestros, descaso para com a vida humana e o patrimônio, ninguém sabia o que era inflação, todos tinham emprego e o que era necessário à vida... Saudades...
Bonanza

Não havia esses desenhos animados com braços e pernas arrancadas em meio a muito sangue exposto a crianças nas manhãs de nossos dias. Ver nossos rebentos aos cuidados pedagógicos de gente desqualificada como Xuxa Meneghel ou Sérgio Mallandro é uma calamidade! Não admira que cresçam considerando a violência uma coisa natural...



Quantas emissoras de qualidade havia no país antes da Globo... TV Tupi, TV Rio, TV Record, TV Excelsior, TV Cultura de São Paulo...


TV Tupi TV Excelsior

Coincidência ou não, com o advento da ditadura militar e a ascensão da Rede Globo de Telealienação a vida do brasileiro vem piorando de maneira inimaginável. “Barbárie” é um termo brando para qualificar o que estampam as manchetes dos grandes jornais diários.



O Brasil abandonou o bucolismo de uma sociedade fraterna, solidária e educada e ingressou no mundo da pseudo-modernidade, da maldita globalização de cima para baixo imposta pelo Império Ianque a que Getúlio Vargas, entre tantos genuínos patriotas se insurgiu.


Nasce a Rede Globo de Telealienação



1965, ditadura militar implantada no Brasil. A Globo fecha contrato com o grupo Time-Life, adere ao regime militar (Roberto Marinho jactava-se de “ser um revolucionário de primeira hora”) na deposição do governo constitucional de João Goulart. Os militares compreendem os benefícios de uma TV de alcance nacional que entoasse loas a seus “feitos” e prestam total apoio ao projeto de poder de Roberto Marinho.

Nos porões da ditadura jovens idealistas eram torturados e mortos e seus corpos lançados no meio do Oceano Atlântico (quando não, lançavam-nos ainda com vida, sem possibilidade de sobrevida...). Na telinha da Globo tudo era festa: Carnaval e Futebol...

Exilados políticos sequer tinham o nome mencionado. Eram transformados em “não pessoas”.

Dentro da estratégia do Assassinato Econômico de Nações, já abordado neste espaço, os EUA ofertavam empréstimos elevados e o Brasil passou por um crescimento tão artificial que era chamado de “milagre econômico”. Pagamos por aquele “milagre” até hoje...


Mudança na política externa estadunidense e adaptação da Globo



No auge da Guerra Fria os estadunidenses criticavam os soviéticos e seus aliados por “violações aos direitos humanos”. O bloco socialista se defendia apontando o apoio dos estadunidenses às ditaduras militares por eles implantada em toda a América Latina.

Vieram as reações populares à ditadura e a determinação do Império de se proceder, no Brasil, a uma “abertura lenta, gradual e segura” rumo à democracia. A princípio a Rede Globo de Telealienação apresentava uma cobertura exageradamente excêntrica durante a qual manifestações populares contra a ditadura eram apresentadas como “Festas Populares” em São Paulo e outros pontos do país.

Com a inevitabilidade da redemocratização do Brasil, a Globo precisou se adaptar e, num lance rocambolesco, passa a se apresentar como resistente à ditadura e reescreve a sua história confiando na falta de memória do brasileiro...

Há pouco plantaram uns documentos queimados na Base Aérea de Salvador e tentaram iniciar campanha para “abrir os arquivos secretos da ditadura militar”. Calaram-se diante da nossa resposta: “Isso mesmo! Abram os arquivos da ditadura, mas não se esqueçam de abrir também os arquivos secretos da Globo!” Seu comprometimento com os interesses estrangeiros no Brasil e sua colaboração acintosa com a ditadura militar são uma mancha de vergonha que jamais será limpa de nossa história.

Enquanto existir um brasileiro vivo capaz de se lembrar de todo o mal que a Globo fez ao país essa história sórdida não será reescrita!


Da qualidade



Com tanto dinheiro tomado do povo brasileiro através dos sucessivos desgovernos que apóiam o império da emissora, esta se consolidou como um poder descomunal, com raros paralelos na história do mundo. A qualidade da programação e a rapidez da informação e edições – ressalva a sua orientação ideológica reacionária, ultraconservadora – é inegável. Literalmente, pagamos caríssimo para sermos enganados em meio a muito luxo, pompa e circunstância!


Collor de Mello e Lula da Silva



Em 1989 a Rede Globo apoiou incondicionalmente Collor de Mello inserindo mensagens subliminares em suas novelas, concedendo maior tempo para as mensagens do candidato dos poderosos do que ao candidato popular (que à época Lula de fato o era...) e, culminando tudo, manipulando o debate final entre Collor de Mello e Lula da Silva editando uma análise segundo a qual o primeiro havia superado o segundo em todos os quesitos. A Globo manipula o imaginário popular poderosamente!

Em 2002, com Lula da Silva já domesticado, globalizado e neoliberalizado, a Globo o apoiou também incondicionalmente e favoreceu a sua campanha durante todo o tempo facilitando em muito a sua condução ao Planalto: inserções de slogans do PT em telenovelas, acordos de bastidores em torno da dívida gigantesca da Globo com o IBGE... Valeu tudo para esta que se tornou a principal e mais poderosa emissora do país simplificar o caminho do Lula domesticado ao Planalto...

Não por acaso, Collor e Lula entram para a história como os mais corruptos e incompetentes governantes que este país já teve. Bem na linha dos militares, que a Globo tanto apoiou...

Cedo ou tarde o povo acorda. O povo não é bobo, abaixo a Rede Globo!

Fundo de apoio aos jovens



Fapj realiza I Encontro de Projetos


Por Marcos da Silva
01 de setembro de 2009
A comissão responsável pelo Fapj (Fundo de Apoio a Projetos de Joves) reuniu 30 jovens dos municípios de Acopiara, Cariús, Iguatu, Jucás, Orós e Quixelô em um seminário de lançamento dos projetos selecionados em seu II Edital. O evento aconteceu no auditório do Sebrae, na manhã do último dia 29 e contou com uma programação iniciada com formação de uma mesa de representantes institucionais que contou com Marcos Jacinto, Coordenador Executivo do Instituto Elo Amigo, Welington Torquato, Secretário Executivo do CIPMJ , Natália Mendes, representante da comissão organizadora do Fapj, Karlos Rikáryo, Conselheiro Nacional de Juventude, Marcos da Silva, Presidente do Conselho Municipal de Juventude de Iguatu, Eliane Silva, Presidente da Amusp e Juliana Lira, representante dos jovens selecionados no II Edital.Os participantes abordaram a importância da existência do Fapj, como meio para que a juventude possa mostar-se como protagonista e que tem capacidade de contribuir com o desenvolvimento da região. Outro destaque foi a necessidade de que esta iniciativa possa dar continuidade como uma política pública marcada pelo lançamento da Campanha Juventude Já!Além dos debates os jovens responsáveis pelos 14 projetos apoiados no II Edital receberam os cheques além do material de acompanhamento e de comunicação, bem como os informes sobre como funcionará a prestação de contas e a escolha da logomarca definitiva do Fundo de Apoio.

PROTAGONISMO NO INTERIOR

Fundo apóia projetos juvenis
Formatação
Galeria

Projetos juvenis recebem verbas e são desenvolvidos a partir das inquietações sobre problemas sociaisIguatu. Jovens das cidades de Acopiara, Cariús, Iguatu, Jucás, Orós e Quixelô terão a oportunidade de implantar projetos sociais, educacionais e culturais a partir do recebimento de verbas da Fundação W. K. Kellogg, em parceria com a Organização Não-Governamental (ONG) Instituto Elo Amigo. A entrega dos cheques aos beneficiados aconteceu no auditório do Palácio da Microempresa do Sebrae.O Fundo de Apoio aos Jovens faz parte do Conjunto Integrado de Projetos do Médio Jaguaribe, da ONG Elo Amigo. O objetivo é apoiar as iniciativas para a juventude e fortalecer os grupos dessa faixa etária. Este é o segundo edital que atende 14 projetos no valor total de R$ 22 mil. No primeiro edital, ocorrido em 2008, foram beneficiadas 18 ações e liberados R$ 20 mil aos projetos desenvolvidos.A assinatura dos termos de parceria e a liberação do recurso referentes aos projetos aprovados aconteceu num clima de expectativa. "É preciso que um programa como este se torne uma política pública municipal", disse o coordenador do programa, Marcos da Silva, do Instituto Elo Amigo. "São os próprios jovens que vão gerir os recursos e isso lhes dará responsabilidade, oportunidade de crescimento e de fortalecimento de suas idéias".Para o próximo ano, estão previstos mais dois editais do Fundo de Apoio aos Jovens. "Quem não foi selecionado nas duas primeiras etapas tem uma nova chance. Novos projetos devem ser apresentados e outras pessoas também serão atendidas na edição deste ano", explicou Silva. Para os organizadores do programa, o movimento de jovens protagonistas, com ações relacionadas à cultura, educação, participação social e de empreendedorismo está crescendo na região Centro-Sul.Daniel Paiva, aluno do curso técnico em informática, da Escola Profissionalizante Amélia Figueiredo de Lavor, na cidade de Iguatu, recebeu R$ 1,82 mil do Fundo de Apoio aos Jovens para desenvolver o projeto "Mídia e Cidadania", que tem o objetivo de fomentar a implantação de uma rádio, um jornal escolar e realizar um concurso de redação entre os alunos.Outros jovens também aproveitam a oportunidade para desenvolver projetos relacionadas às suas inquietações. As amigas Suzana Aquino e Aline Gonçalves estão preocupadas com a degradação ambiental onde moram, no sítio Fomento, zona rural de Iguatu, e no rio Jaguaribe. As duas representam um grupo de nove estudantes que irão desenvolver o projeto de preservação ambiental "O futuro é hoje", na comunidade. "Vamos realizar oficinas, palestras de conscientização sobre o destino do lixo e a necessidade de manter as matas ciliares", explicou Aline Gonçalves. O grupo foi beneficiado com R$ 1,536 mil.Da cidade de Cariús foi escolhido o projeto dos Amigos do Meio Ambiente, da escola de Ensino Médio Adahil Barreto. O grupo formado por 16 pessoas também vai realizar projeto de conscientização com alunos e agricultores, no sítio Canabrava. Para este projeto foram liberados R$ 1,55 mil.O estudante Tiago Rodrigues, da cidade de Acopiara, conseguiu recursos para desenvolver o teatro informativo que terá como temática a pedofilia. "Serão feitas apresentações sobre a temática em escolas da cidade e das localidades de Isidoro e São Paulino", explicou o estudante. O grupo de 20 alunos serão capacitados em oficinas de arte cênica.Alunos deficientes visuais da escola Carlos de Gouvêa, em Iguatu, foram beneficiados com R$ 1,9 mil para a compra de material didático e leitura em Braille. "Estamos sem material e com algumas dificuldades", disse a aluna Rita de Cássia de Lavor. O sonho do grupo é obter uma impressora de Braille.A nossa preocupação é promover o desenvolvimento socioeducacional"Daniel PaivaEstudante

quarta-feira, 9 de setembro de 2009

FEIJOADA DO E.C COHAB`s
















Foi um momento de confraternização do E.C COHAB`s, atletas e simpatizantes da equipe estiveram reunidos no ultimo dia 07 de setembro a partir das 15:00 para saborearem uma deliciosa feijoada e muita cerveja gelada. O EC COHAB`s tem como Presidente o sr. Ailton Fernandes e os seguintes atletas: Goleiros Fernando e Junior(Urea), Aldinei, Dé Neguim, Diego, Yuri, Sergio, Roniele, Regis, Jhonatan, Maciel, Vandeilson, e os chefes de Torcida Robim e Romário. O COHAB`s este ano ainda disputará o torneio realizado pelo Municipio de Quixelô, que acontecerá em Outubro proximo, em novembro disputará o COPA das Viúvas no Município de Icó e em dezembro disputará VI COPA COHAB`S de Futsal aberto.

sábado, 5 de setembro de 2009

07 de setembro

As escolas dos Sitio Lagoa Redonda I e II fizeram o desfile cívico em comemoração a independencia do Brasil, o desfile foi comandado pela Banda de Musica de Quixelô sobre a Regencia do Maestro Mano, o evento teve o apoio da prefeitura Municipal e das Secretarias de Cultura e de Educação do Município. O prefeito foi representado pelo Secretário Adjunto de Cultura Ailton Fernandes. o Evento foi muito importante para as duas comunidades para explicou o professor Airton, o mesmo agradeceu ao prefeito Gilson pelo apoio que vem dando aos eventos do município e disse que o poder público esta presente nas comunidades e que isso é muito bom para o desenvolvimento do município.

quinta-feira, 3 de setembro de 2009

O verdadeiro ladrão


PDF Imprimir E-mail
Política
Milton Temer
Sáb, 27 de junho de 2009 20:29
Milton Temer
Milton Temer
"Ajuda a bancos em 1 ano supera a para países pobres em 50". Essa é a manchete do artigo do Estadão. O detalhe trágico vinha no trecho de abertura, logo a seguir:

"Relatório divulgado pela ONU aponta que instituições receberam US$ 18 trilhões em ajuda pública no último ano (...)

"Segundo a organização, que promove o cumprimento das metas das Nações Unidas para o combate à pobreza no mundo, os países em desenvolvimento receberam em 49 anos o equivalente a US$ 2 trilhões em doações de países ricos".

Está aí a mais importante notícia econômica da semana que passou, merecedora de apenas colunas discretas de cadernos de economia na grande mídia conservadora, quando deveria produzir a manchete do dia. E não por acaso.Está aí retratada, como fratura exposta, a essência do regime capitalista, da qual essa mídia conservadora é porta-voz subalterna.

Está ai retratada, também, a forma como as crises são espaços importantes para que o grande capital tenha acesso desavergonhado aos recursos estatais em seu interesse privado. Em apenas um ano, os banqueiros predadores, os que se locupletaram nos lucros pantagruélicos obtidos no período de vacas gordas da especulação desenfreada do neoliberalismo, abocanharam, por conta da crise que geraram, quase dez vezes mais recursos dos que o destinado aos paises pobres, em meio século. US$ 18 trilhões, em um ano, contra US$ 2 trilhões em 50 anos, é bom repetir, roubados de políticas públicas indispensáveis, e deficientemente tratadas como é praxe no regime do capital, fixado na transformação de saúde, transporte e educação em mercadoria.

Junte-se a isso a coluna de Paulo Nogueira Batista (O Globo, 27/06/09), nosso representante no FMI e, portanto, insuspeito dos dados que fornece:

"O sistema financeiro se sofisticou de maneira extraordinária. Em parte por preconceitos ideológicos, a regulação e a supervisão não acompanharam.

"O sistema privado passou a funcionar livre e solto, em larga medida isento de controles governamentais.

"Em consequência, criou-se um monstro. O poder econômico e político dos bancos agigantou-se. Governos, parlamentos, imprensa, economistas - todos sofreram a influência avassaladora da turma da bufunfa. Ser banqueiro era o ápice do prestígio e da glória.(...)

"Os governos e bancos centrais vêm socorrendo o setor financeiro de várias maneiras: injetando capital, comprando ativos, realizando operações de empréstimo e garantindo depósitos e outras obrigações. (...) Montante total do apoio ao setor financeiro: 81% do PIB! Para a Alemanha e o Japão, a conta total chegou a 22,2% do PIB, segundo as estimativas do FMI. No Reino Unido, a 81,6% do PIB. Na Suécia, a 69,7% do PIB."

Quanto ao Brasil, nosso representante no FMI registra, o quadro foi realmente bem menos drástico em relação aos bancos. 1,5% do PIB. Registra, mas não explica, porque sua condição de representante do Governo lhe cria óbices. Mas estivesse escrevendo na condição anterior de articulista independente, totalmente discordante do modelo macroeconômico implementado pelo governo que passou a representar no abominável e dispensável FMI, e sua reação teria sido outra. Certamente lembraria dados do Banco Central referentes ao ano anterior à crise, 2007, para mostrar o porquê de o sistema financeiro privado brasileiro, para não ter tido necessidade de entrar na montanha russa da especulação do primeiro mundo.

Ao longo de todo aquele ano, R$ 8 bilhões de reais foram despendidos no atendimento de 11 milhões de famílias (algo em torno de 44 milhões de brasileiros) através do Bolsa-Família. Pois bem; Foi essa mesma quantia que o segundo maior banco privado, em termos de lucro, o Bradesco, publicou em seu balanço de apenas nove primeiros meses. Porque o mais lucrativo, o Itaú, conhecido pela sua atuação predatória na especulação com a dívida pública, e seu comportamento de agiota na concessão de créditos ao capital produtivo, bateu R$ 500 milhões a mais. R$ 8,5 bilhões de lucro em apenas nove meses.

Como conseguem? Simples se lembramos apenas um dado. Com o governo Lula despendendo algo em torno de R$ 160 bilhões anuais no pagamento de indevidos juros de uma sempre crescente dívida pública, não tinham porque pescar em águas turvas. Ficaram se locupletando aqui no rasinho da praia.

Ou seja; se alguém ainda tem pretensões de afirmar que a esquerda deve agir pacientemente com os banqueiros, e com a política macroeconômica do governo Lula, que atente para os fatos. Que não recorra ao "pessimismo da razão" para argumentar contra uma campanha educativa de massas, quanto à necessidade de estatização do sistema financeiro privado. Sem que isto seja considerado um despropositado "otimismo da vontade" mas, sim, necessidade premente e imediata de qualquer processo de radicalização da democracia social em nosso Pais.

Bertold Brect tinha toda razão na dúvida sobre o verdadeiro ladrão; se o que assalta ou se o que funda um banco.

27/06/2009


Milton Temer é jornalista e presidente da Fundação Lauro Campos

quarta-feira, 2 de setembro de 2009

Vergonha, Vergonha .........

Não há outra palavra para essas ações da CPRV, não sou contra as blites sou a favor da legalidade, tem que usar capacete ser habilitado, só que o direito é uma via de mão dupla, no caso de Quixelô esta sendo via Unica, pois estamos a quase dois com uma estrada sem condiçoes de uso, mas nós pagamos IPVA e outros impostos para termos estradas de qualidade, vidas foram perdidas nesse periódos, agora recentimente começou o festival de parabrisas de carros, quebrados, situações ocasinadas pela construção da Estrada, topic ja virou, carros ja deceram o aterro, são transtornos que as pessoas que trafegam para Iguatu ou para outras cidade vem sofrendo nos ultimos meses, onde esta a mão do Estado nessa hora?, quem ja teve os prejuizos de seu veícula ressarcidos pelo Estado?, ninguém, onde esta o direito desses contribuintes? porque só cobrar obrigações dos contribuintes, o Estado primeiro deveria fazer a sua parte para depois vir cobrar a parte dos contribuintes, tem que concluir essa estrado quanto antes, tem que fazer a Estrada Quixelô Solonópole, para aí sim poder vir cobrar de nossos condutores de veículos aquilo que lhes é devido., mas sempre respeitando os cidadãos, queria ver essa eficiencia na hora de investigar os crimes ediondos desse Estado.

JOVENS PREMIADOS COM II EDITAL DO FUNDO DE APOIO AOS (FAJ)

Os jovens do grupo AIPEC- ( arco-iris promções e eventos culturais) do Bairro COHAB de Quixelô foram contemplado no II edital do fundo de apoio ao jovens(FAJ) do CIP MJ(conjunto integrado de projeto do medio jaguaribe), ao todo foram aprovados 14 projetos nas mais diversas areas, o AIPEC teve aprovado um projeto de dança, que será desenvolvidos pelos jovesn do bairro COHAB e adjacencia, serão mais de 40 jovens envolvidos nesse projeto que terá a coordenação de Paulo Rijo Diclesis Silva. o valor do projeto é R$1.533,00, o cheque foi entregue no ultimo sabado dia 29 de agosto no auditório do SEBRAE. Neste projeto será trabalhado oficinas teóricas e praticas e será montado danças com os jovens, o recurso também garante pagamento de coreógrafo. Esse ja é o segundo projeto aprovado proposto por jovens do bairro, em maio o Jovem Diassis teve um projeto de Literatura aprovado pela Teia de Cultura através da Associação da COHAB I. Os jovens desse Bairro sob a liderança do lider Comunitário Ailton Fernandes estão a cada dia conquistando seus espaços.

Lei da Mordaça na 5ª COPA STAR GAMES‏


È isso mesmo os torcedores do Eporte Club COHAB`S, foram proibidos pelo Dono da COPA de espressar seus desejos através de apito, sob ameaça da referida equipe ser eliminda da competição, pois bem os torcedores do bairro se organizaram e foram ao Ginásio Francisco Amaro Guedes, com intuito de torcerem pelo seu time coração o COHAB`S, todos só queriam abrilhantar a festa e por isso usaram varios artificios para precionárem os time adversário, ocorre que o dono da copa que´é uma pessoa ante popular, incomformada com aquela manisfestação, resolveu fazer como os ditadores fazem, obrigou o dirigente do time a recolher todos os apitos, pois do contrário o COHAB`S estaria eleminado da COPA, pergunta 01:onde ja se viu falar que é proibido entrar com apito em qualquer ginásio poliesportivo ou em quadra de futsal desse País? desde quando entrar no ginásio com apito e de forma pacífica ficar fazendo a festa soprando um apito com intuito de realmente fazer barulho é proibido. Afinal torciada só silencia quando seu time esta perdendo, mas torceda é pra zuada mesmo, claro na arquibancada, como queriam fazer mas foram impedidas.Seria bom é que o dono copa se preocupasse é com a qualidade da arbitragem, que marcou uma 6º falta inexistente e que com certeza interferiu no resultado da partida e tem mais o jogador Sergio do COHAB`S que estava na quadra e uniformizada foi em casa depois voltou e se quer foi advertido, o mesmo aconteceu com o jogador Herbesson do Sporting, que também saiu de quadra foi atráz do palco do ginásio esteve na arquibancada voltou pro jogo mas também não foi advertido nem pelo mesário e nem pelos árbitros da partida, parece até piada isso daria uma boa matéria em qualquer programa de esporte da TV brasileiro seria o mico do ano com certeza pena não ter sido possível registrar essas imagens através de videos, iriam render um certo dinheiro. Episódios como esses só acontecem nas copas STAR GAMES, fica aqui o repudio contra tudo isso que citado