quarta-feira, 29 de setembro de 2010

Um dia histórico na política juazeirense

Por: Luciano Augusto

Reportagem: Jaqueline Freitas (Jornal do Cariri)

O dia 28 de setembro é um marco na história da política juazeirense, ainda que o Prefeito tenha permanecido no cargo. Foi a primeira vez em que o povo foi às ruas pedindo a cassação de um chefe do executivo. A Rua São Pedro, principal do centro de Juazeiro do Norte, parou por alguns minutos na tarde de hoje. Homens, mulheres e até crianças saíram em dois manifestos, contra e a favor da possível cassação do mandato do prefeito Manoel Santana Neto.

Um grupo de pessoas levou à rua uma onda vermelha, contra a cassação. A maioria dos manifestantes era formada por servidores municipais, que saíram da Praça da Prefeitura até a Câmara Municipal. Com faixas, apitos e bandeiras do Partido dos Trabalhadores, juazeirenses mostraram apoio ao Prefeito. Eles usavam a frase “Dr. Santana é meu amigo, mexeu com ele, mexeu comigo”.

Em seguida, acompanhados por um trio elétrico, os populares do manifesto “Fora Santana”, de caras pintadas de verde e amarelo, saíram da Praça José Geraldo da Cruz e desceram a São Pedro, chamando atenção de vendedores e compradores. O centro comercial parou para observar as reivindicações da população insatisfeita.

O clima ficou tenso quando as duas torcidas se encontraram no cruzamento com a Rua do Cruzeiro, onde é localizada a Câmara Municipal. Houve tumulto e, por várias vezes, foi necessária a intervenção da Polícia Militar, reforçada pela Companhia do Crato, com cavalaria e tudo. Por várias vezes, o spray de pimenta serviu para dispersar os manifestantes. Agentes do Departamento Municipal de Trânsito e a Guarda Municipal também deram apoio.

Outro momento em que foi preciso o reforço policial ocorreu durante a chegada do ex-procurador do Município, Bernardo Oliveira, que trazia a liminar expedida pelo juiz da 1ª da primeira Vara, José Acelino Jácome.

A tensão continuou até o momento em que acabou a sessão, quando houve corre corre e discussão entre os manifestantes.

Nenhum comentário:

Postar um comentário