quarta-feira, 28 de setembro de 2011

Fortaleza é absolvido pelo STJD, punição recai sobre Carlinhos Bala

Em julgamento que durou quase 5 horas, o Fortaleza Esporte Clube foi inocentado por unanimidade no Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) das acusações feitas pelo Campinense Clube (PB), em representação enviada à entidade jurídica. O clube paraibano reclamou do resultado da partida entre o Tricolor e o CRB (AL), quando o Leão venceu por 4 a 0 e garantiu a permanência na Série C.

O Fortaleza escapou, por unanimidade, do artigo 243-A do Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD): 'Atuar, de forma contrária à ética desportiva, com o fim de influenciar o resultado de partida, prova ou equivalente'. O artigo previa multa, suspensão e até uma possível anulação da partida.

No entanto, o clube cearense não escapou, por maioria dos votos, de 2 multas: R$ 20 mil pelo atraso do reinício da partida e mais R$ 5 mil pelo arremesso de uma garrafa d'água no campo.

O Clube de Regatas Brasil (CRB) também foi multado em R$ 20 mil pelo atraso do jogo. Seus atletas expulsos na partida diante do tricolor cearense também não escaparam de punição: 2 jogos para o goleiro Cristiano e 1 jogo para Paulo Rodrigues.

O árbitro do jogo, Gutemberg de Paula, foi absolvido por maioria dos votos. Outro que escapou de punição, este de forma unânime, foi o lateral Maisena, do CRB, que o Campinense acusava de ter dito "deixa fazer" para o goleiro de seu clube, supostamente incentivando uma facilitação ao Fortaleza

Sobrou para Carlinhos Bala

Quem mais se deu mal no julgamento desta terça foi o atacante Carlinhos Bala. Ele foi enquadrado no mesmo artigo 243-A, em que o Leão foi absolvido. No entanto, os relatores entenderam que o artigo cabia à pessoa física (no caso, o jogador) e não pessoa jurídica (no caso, o Fortaleza). Assim, o jogador foi punido, por maioria dos votos, em 6 jogos de suspensão e multa de R$ 10 mil.

Cabe apelação

O resultado do julgamento, no entanto, ainda não é definitivo. O Campinense pode apelar da decisão, que determinou seu rebaixamento para a Série D. Assim, um novo julgamento seria marcado, agora no Pleno do mesmo STJD.

"Justiça foi feita, conseguiu-se mostrar a fragilidade das provas apresentadas pelo Campinense. A questão não se encerra aqui, com certeza de que haverá apelação das partes. No entanto, estão todos de parabéns", disse o advogado Paulo Rubens, contratado para defender o Fortaleza.

Já o presidente Osmar Baquit, que acompanhou o julgamento, mostrou-se bastante aliviado e fez elogios ao trabalho de Paulo Rubens. Garantiu, ainda, que o clube apelará da punição determinada a Carlinhos Bala.


Nenhum comentário:

Postar um comentário