sexta-feira, 30 de setembro de 2011

Professores agredidos pela polícia de Cid Gomes


A manifestação dos professores estaduais na Assembleia Legislativa de Fortaleza, na manhã desta quinta-feira (29) resultou em quatro prisões e dois feridos, segundo o presidente do Sindicato Apeoc, Anízio Melo. Vários objetos da Casa também estavam quebrados.

Entre os objetos danificados estão lixeiras e as tampas dos vasos sanitários. Um quadro também foi quebrado. Em um protesto anterior a Assembleia Legislativa chegou a ser pichada – fato que culminou com o registro de um boletim de ocorrência à época.

> Confira imagens e vídeos exclusivos da confusão na Assembleia Legistativa

Um dos momentos mais tensos da manhã foi o confronto entre policiais do Batalhão de Choque e professores. A categoria ainda viu a Assembleia Legislativa aprovar a mensagem do Executivo sobre os salários dos professores.

O professor Arivaldo Freitas Alves, atingido na cabeça durante o confronto entre policiais e servidores, foi encaminhado ao Instituto Dr. José Frota (IJF) e estava em observação. Segundo o representante do setor jurídico do sindicato, Sérgio Bezerra, ele foi atingido por policiais no momento em ia ajudar companheiros que haviam decretado greve de fome.

“O professor estava fazendo uma ato de solidariedade com os colegas quando foi vítima da agressão do (Batalhão de) Choque”, conta Sérgio.

Além de Arivaldo, outra pessoa foi ferida: Ronaldo Rogério, também foi atingido na cabeça e, em seguida, detido. Ele se identificou como professor de literatura de cordel. De acordo com o sindicato, Ronaldo acabou sendo detido.

Os professores prometem continuar acampados na Assembleia.

OAB deve entrar com ação por lesão

Um dos membros da Comissão de Direitos Humanos da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) – secção Ceará, Percival Palmeira, os servidores feridos estão sendo acusados de lesão corporal, desacato a autoridade, resistência a prisão e dano ao patrimônio público.

De acordo ainda com ainda Percival, o delegado do 4ª Distrito Policial, Munguba Neto, determinou a elaboração de um termo circunstanciado de ocorrência para a avaliar a acusação feitas pelos policiais contra os professores.

Em resposta à acusação a categoria promete abrir uma ação. “Nós vamos abrir um ação criminal contra o presidente da Assembleia Legislativa, Roberto Cláudio, e o governador Cid Gomes pela repressão gratuita e lesão corporal”, diz Percival.

“Plenário é um santuário para os deputados”, diz Heitor

O deputado estadual Heitor Férrer (PDT) defendeu os professores e questionou a postura que ele chama de autoritarismo do Governo do Estado. As críticas do parlamentar foram feitas em entrevista em entrevista ao Diário do Nordeste Online.

“A Assembleia Legislativa não deveria ter legitimando um ato de autoritarismo do governo. O erro da Assembleia foi solicitar um pedido de urgência para o caso sem antes ter conversado com os professores”.

Sobre o conflitos na Assembleia, nesta quinta, Heitor disse concordar com a realização de protestos na Casa, mas posicionou-se contra a tentativa de invasão dos professores no Plenário.”Não posso concordar com a tentativa de invadir o plenário. Ali é o santuario do deputado”.

Imagens devem ser analisadas, pede o deputado

Heitor espera que uma apuração detalhada sobre o caso seja feita pelo presidente Roberto Cláudio. “Temos que analisar o circuito interno de filmagem para saber se houve execesso da policia. Ouvi várias versões sobre o caso, prefiro analisar vendo as imagens”, destaca Férrer.

Fonte: Diario do Nordeste

Nenhum comentário:

Postar um comentário