terça-feira, 11 de dezembro de 2012

Mensalão: Barbosa admite investigação de Lula na Justiça comum


Ex-presidente não pode mais ser incluído na AP 470
Jornal do BrasilLuiz Orlando Carneiro
Brasília -  O presidente do Supremo Tribunal Federal, Joaquim Barbosa, admitiu, nesta terça-feira, que o Ministério Público Federal deve investigar a acusação de Marcos Valério – em matéria publicada pelo jornal O Estado de S. Paulo, de que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva sabia do esquema do mensalão. Indagado por repórteres, no intervalo da sessão do Conselho Nacional de Justiça , sobre o assunto, Barbosa foi lacônico: “Eu creio que sim" (que ele deveria ser investigado).
O mais penalizado dos réus da Ação Penal 470, na condição de operador do mensalão, foi condenado a mais de 40 anos de reclusão pelos crimes de quadrilha, corrupção ativa, peculato, lavagem de dinheiro e evasão de divisas. Ele teria dito, em depoimento de setembro último, na Procuradoria-Geral da República, a duas subprocuradoras, que o ex-presidente autorizou empréstimos ao PT dos bancos Rural e BMG ao PT, com objetivo de viabilizar o esquema. Conforme a reportagem publicada nesta terça-feira, parte do dinheiro teria sido usada para pagamento de despesas pessoais de Lula.
Barbosa foi lacônico: “Eu creio que sim"
Barbosa foi lacônico: “Eu creio que sim"
De qualquer modo, caso a PGR venha a abrir inquérito para investigar o ex-presidente, o procedimento correria no âmbito da Justiça do primeiro grau. O procurador-geral da República e ministros do STF já deixaram claro que o hoje cidadão Luiz Inácio Lula da Silva não poderia, de modo nenhum, ser “incluído” na ação penal cujo julgamento o STF está concluindo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário