sexta-feira, 4 de janeiro de 2019

Sergio Moro só mandará Força Nacional para o Ceará em caso de “deterioração da segurança”



O Ministério da Justiça  divulgou, nessa quinta-feira (3) à noite, que o titular da pasta, Sérgio Moro, decidiu que só enviará tropas da Força Nacional ao Ceará se houver “deterioração” da segurança no estado. A informação é do Portal G1.
Mais cedo, o estado registrou motim na Casa de Privação Provisória de Liberdade e ataques a ônibus e prédios públicos.
Diante disso, o governador, Camilo Santana (PT), pediu a Moro que tropas da Força Nacional fossem enviadas à região, mas o ministro de Jair Bolsonaro decidiu que só serão enviadas “em caso de deterioração da segurança”.
Segundo o ministério, Moro determinou à Polícia Federal, à Polícia Rodoviária Federal e ao Departamento Penitenciário Nacional (Depen) que tomem as “providências necessárias” para ajudar a conter a onda de violência no estado.
“O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, determinou, nesta quinta-feira (3/1), à Polícia Federal, à Polícia Rodoviária Federal e ao Departamento Penitenciário Nacional que tomem todas as providências necessárias para auxiliar o estado do Ceará no combate aos atos de violência ocorridos ao longo do dia. A decisão visa dar apoio imediato ao estado, solicitado pelo governador Camilo Sobreira de Santana”, diz a nota do ministério.
Segundo a assessoria de Moro, os órgãos atuarão na investigação e repressão aos crimes registrados, incluindo a disponibilização de vagas no sistema penitenciário federal.
Ainda de acordo com o ministério, Sérgio Moro sugeriu ao governo do estado a criação de um gabinete de crise, “com a integração das forças policias federais e estaduais”.
(Foto – Agência Brasil)

Pai compra tênis à vista para os filhos, é tratado como ladrão e dá uma aula de resistência negra

As cenas de racismo explícito que vemos nos vídeo nos indigna. Mas a reação do pai à abordagem dos policiais que praticam racismo institucional como das pessoas que a assistiram, dá-nos algum alento. Tanto as vítimas como as pessoas ao redor dão nome aos bois. Num dado momento, um coro grita uníssono: preconceito! Preconceito! Preconceito!

Para mentes racistas, os primeiros negros avistados pelos policiais só poderiam ser os ladrões e para mentes racistas a abordagem violenta dos mesmo se justifica.

O pai dos garotos mostrou a nota fiscal dos tênis que havia comprado a vista. Cheio de revolta e desespero, ele informa aos policiais racistas que seus filhos são trabalhadores e estudam, um deles, inclusive, é bolsista do PROUNI. O pai ainda disse aos policiais que eles estavam no direito de averiguar a denúncia, mas não de prejulgar.


Como podemos ver no vídeo, a abordagem da PM foi padrão de seu cotidiano violento – primeiro humilha, julga, violenta, para depois descobrir que as vítimas do racismo institucional não eram os supostos ladrões.

Os suspeitos são comumente tratados como criminosos, sempre prejulgados, a polícia militar faz age como se fosse polícia civil e Justiça. A abordagem completamente inadequada teve revista corporal, forçou as vítimas a colocar a cara na parede, acusou pai e filhos de ladrões, com policiais gritando no ouvido do pai que ele havia roubado.

O desfecho só não foi mais violento porque a multidão reagiu: pessoas começaram a filmar a abordagem dos policiais e se uniram às vítimas. Só assim os policiais recuaram.

Há um momento que todo pai que ama seus filhos agiria da mesma forma que este pai agiu. Ele protege seus filhos com o próprio corpo criando uma barreira entre os policiais e seus filhos. Ele enfrenta os policiais, dizendo com o corpo e com seu clamor indignado algo como: nos meus filhos vocês não vão tocar, não vão levar para a delegacia. Esse é um dos momentos que a multidão ao redor também toma partido das vítimas e enfrenta os policiais. Há uma moça que se aproxima dos policiais e grita: “Não vai levar! Durante todo este tempo podemos ver que o pai tem um papel na mão, possivelmente o cupom fiscal da compra e os policiais não checam o documento para averiguar que ele fala a verdade!

Nas cenas podemos ver que a indignação das pessoas vai se ampliando, os policiais são chamados de ‘coxinhas’. A moça que enfrentou o policial, checa o papel na mão da vítima e grita, ele pagou! Quando o pai consegue esticar o cupom fiscal e mostrar pra multidão ao redor, as pessoas aplaudem, gritam numa explosão de alegria e alívio, como se em uníssono dissessem, agora esses ‘coxinhas’ vão parar de violentar esta família. O pai, dá uma aula sobre racismo e estereótipos contra os negros e diz:

“No Brasil somos 52% da população. Existe negro sem vergonha. Existem branco sem vergonha.” Alguém na multidão grita: Racismo! e o restante em coro: “Preconceito, preconceito, preconceito!”

O pai continua: “Chega de racismo neste país, chega de genocídio!” Chega, chega, chega, cansei!

Será que os policiais desqualificados, que explicitaram seu racismo na abordagem violenta, entenderam a lição dada pelas vítimas? O povo compreendeu perfeitamente.

As falas cheia de revolta do pai, são um desejo de “mostrar que o RACISMO existe sim e é uma praga em nosso país.”

Tudo isso em quatro minutos de vídeo, onde já estava mais que comprovado que as vítimas não eram ladras e mesmo assim a polícia ainda os mantinha ali. A população passa a gritar: “Libera! Libera! Libera!”

O pai convoca: “Nós vamos para a delegacia todo mundo!” Convoca testemunhas. E afirma que o sistema prisional no Brasil é contra os negros.

Os policiais desqualificados tentam impedi-lo de continuar e ele grita: “Eu vou provar, olha o tanto de gente aqui, ó.”

Tomara que esse pai humilhado e violentado pela PM na frente de seus filhos siga em frente e processe esses policiais despreparados, processe o governo do estado de São Paulo que mantém esta polícia despreparada, violenta e racista e tomara que a multidão que se solidarizou diante da barbárie não recue e sirva como testemunha deste descalabro.

Fonte: Pensador Anônimo.

Mais de 40 ataques das facções são registrados na noite desta quinta-feira (03)




Levantamento realizado pelo portal CN7 aponta mais de 40 ataques das facções na noite desta quinta-feira (03).
A violência não cessou: há um policial militar ferido e um bandido morto. E as facções não se intimidam prometendo manter a guerra contra o Governo Camilo Santana.
A novidade nessa onda de violência foram os ataques a bancos: duas Caixas Econômicas e dois agências do Bradesco. Como também a destruição da sede do gabinete do prefeito de Maracanaú, Firmo Camurça


Veja relação de alguns dos ataques registrados:
– Ônibus na avenida Cônego de Castro
– Rebelião na CPPL 3 Itaitinga
– Caminhão Vila do Mar
– Ônibus na Maraponga
– Ônibus no Vicente Pizon
– Topique no Sítio São João
– Ônibus no bairro Dom Lustosa
– Ônibus na comunidade Maria Tomásia Jangurussu
– Caminhão de lixo no Maria Tomásia
– Carro no Sítio São João
– GPM no Vicente Pizon
– Caixa Econômica de Maracanaú
– Gabinete do prefeito de Maracanaú
– Empresa Novo Maranguape
– Concessionária Renault
– 27º DP no João XXIII
– Bradesco de Caucaia
– Bradesco da Pontes Vieira